domingo, 19 de junho de 2011

Vê se passa por aqui

Já são tantos anos longe, nem parece que chegaria a tudo isso. Ouvindo tua voz, te imagino como quando passávamos um certo tempo juntos. Ela não mudou muito, na verdade, quase nada, mas é que você não deve ser a mesma pessoa. Alguns anos se passaram e muita coisa mudou. Teu cabelo deve estar bem diferente, na verdade, está, mas finjo não saber, para cultivar a lembrança que tenho de você. Como o tempo passou... Fomos cada um para um canto e vivemos. Apenas seguimos um caminho. Mas mesmo depois de todos esses anos, ainda existem coisas que nos ligam de uma forma indescritível. Nem me arrisco mais a adjetivar ou rotular, só sei que quando você me liga, a cada dois meses, mais ou menos, abro um sorriso. Hoje mesmo você me pegou dormindo, mas logo abri os olhos e limpei os ouvidos para te ouvir falar. A vida por aí parece tão diferente, na verdade, ela é, mas finjo não saber, para tentar te trazer mais pra cá. Pro meu lado. Sei lá como é o ar que você respira e quais são as pequenas coisas que te fazem dormir tranquila, mas não deve ser muito diferente de mim. Nós temos uma ligação, sabe? Já brincamos, brigamos, você me xingou, eu te admirei... Confesso que algumas vezes te odiei por quase um segundo, mas não tem jeito, depois te amei mais ainda. Quero te ver em breve, algo como um sábado à tarde, que tal? Pode ser o da semana que vem? Ótimo, já arrumei a casa para te receber. Pega logo esse avião, você tem razão de correr assim desse frio, o tempo aqui é mais ameno. Mas não sei, faz um bom tempo que o frio predomina por aqui, nada de muito extremo, mas o suficiente para deixar o nariz gelado. Mas, claro, comparado à sua terra, é quase um belo verão. Te prometi que não ficaríamos tanto tempo sem contato, mas admito que falhei. Me desculpa, minha cabeça anda cheia de coisas e devaneios e hipóteses e loucuras e confusões. Nem sei mais pra onde correr, todos os lados parecem tristes na mesma proporção. Mas tudo bem, acho que o pior já está passando, logo volto ao normal. Me promete uma coisa? Que você nunca vai desistir daqui? Eu sei que nada te faria voltar em definitivo, mas ainda espero uma visita. Nem me lembro mais do que você gosta de comer e beber, então não se assuste se eu te recepcionar com algo que você não goste. Deixa assim, talvez eu possa te abraçar de novo e te contar como anda meu coração. Você faz falta, vê se não demora pra chegar. Daqui, te espero. Um beijo pra ti.

2 comentários:

J. Cardin disse...

eu ainda leio...

aline disse...

já disse: esse é de coração.